segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Bring Me To Hell / selos

Olá pessoal!
Como estão nessa segunda-feira quente pra chuchú?
Pois então, ainda não escrevi a próxima parte da história de Dalila por falta de tempo, estou arrumando minha malas para voltar para a cidade onde faço facul!! Indo em um punhado de médicos, dentistas e fazendo 3 aulas de carro por dia para poder fazer a prova prática já nesta sexta-feira!! O bixo ta pegando por aqui!

Hoje vou falar de um filme que assisti ontem, vamos lá:

ARRASTE-ME PARA O INFERNO

Esse filme, apesar do nome, eu gostei muito, dá o maior medo, é um filme de terror, que pode ser chamado assim, não como essas merdinhas por aí que se intitulam terror e nem passa perto como Garota Infernal, etc e etc.
Quem quiser assistir, eu recomendo, ainda mais que tem o gatinho (na minha opnião) justin Long nas telinhas!
Foi lançado nas locadoras a pouco tempo!

Sinopse: Christine Brown (Alison Lohman) é uma jovem e ambiciosa corretora de empréstimos em Los Angeles. Na companhia do namorado, o charmoso professor Clay Dalton (Justin Long), Christine parece levar uma vida tranquila. Isso até o dia em que ela recebe a visita da misteriosa senhora Ganush (Lorna Raver), que chega ao banco onde Christine trabalha para pedir um acréscimo no empréstimo e poder pagar sua casa. Ao negar o pedido, que tinha como objetivo apenas impressionar o chefe, o senhor Jacks (David Paymer), Christine acaba desgraçando a vida da senhora Ganush. A idosa é desapropriada, mas a partir disso irá colocar a vida da jovem Christine diante de uma maldição sobrenatural e desesperadora.

________________________________________________________


Bem, esses dias para trás, estava eu olhando vários blogs qndo me deparei com o Blog da Srta. Encalhada. Um ótimo blog por sinal!!
Queria agradecer a menina misterioso pelos elogios ao meu blog!! Fiquei muito feliz poor isso!!

Bem, vamos as regras:
Dizer 7 coisas sobre mim :

1. Tenho cabelos castanhos escuros e olhos da cor de uma jaboticaba.

2. Amo assistir filmes - principalmente do cinema.

3. Tenho 1,70 de altura.

4. Adoro assistir seriados - inclusive alguns que lançaram recentemente como Dark Blue, The Good Wife e Sounds of Anarchy.

5. Sou muito alérgica - penicilina, gatos, cachorros, fungos etc etc.

6. Adoro escutar músicas, para mim é uma coisa que me leva a outro mundo, dançar tb!

7. Uso óculos.
E a outra regrinha é indicar este selo a outros 7 Blogs:

Obs: Primeiramente, quero desde já, me desculpar aos autores dos blogs dos quais irei indicar abaixo, para aqueles que não gostam de selos, eu confesso que não sou mto fá deles, mas fico feliz em receber um e de indicar blogs dos quais realmente curto!! Vamos lá então:

http://cacofagia.blogspot.com/ - Cacofagia - os poemas são os mais sublimes.
http://luhponchee.blogspot.com/ - Luh Ponche - Ela escreve coisas adoráveis do dia-a-dia.
http://uivosdoalem.blogspot.com/ - Uivos do Além - pq ele é o mais desastrado.
http://jeessikita.blogspot.com/ - Jéhh - minha companheira sumida do blog!
http://caosemplumas.blogspot.com/ - São Sem Plumas - adororo a história que ele está escrevendo.
http://corporeagindo.blogspot.com/ - Corpo em Movimento - querida!
http://blogdowevertton.blogspot.com/ - Blog do Wevertton - as sugestões e os textos são os melhores!

PS: queria pedir por favor, que quem não tirar um tempo para ler alguma parte do blog ou não ter nada de interessante para comentar - NÃO COMENTE! Não suporto pessoas que não tem nada a dizer!

Beijos e até mais!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Parte 18 / Cidadão Kane

Olá blogueiros, mas uma vez me desculpem, acabei não postando a parte 18 ontem, pq estava tentando instalar o roteador, que não foi uma tentativa bem sucedida completamente! =/

Bem, vamos então para a 18ª parte da história - mais uma vez pra quem não acompanha a história e tem curiosidade pra saber, tem um resumo no anti-penúltimo post!

Parte 18: Uma Importante História de Dalila.

Dalila o abraçou forte também e desatou a chorar. Eles ficaram abraçados por um tempo, até serem interrompidos por... Wilfres, o mordomo de Rheet que vinha acompanhando Henry. O mesmo nunca precisará ser apresentando ao dono da casa, sempre era bem-vindo.

- Bom dia Rheet, bom dia Dalila. Quase boa tarde, não?

- Bom dia Henry, ainda falta alguns minutos para ser boa tarde. Mas me diga a que devo a visita?

- Acho que a explicação estava em seus braços há algum tempo atrás.

- Sim, eu imaginei mesmo - disse Rheet sarcástico - Ela passou a noite aqui, já que você a abandonou ontem na festa.

- Eu sabia que você não ia abandonar Dalila ontem, por isso fui embora e não voltei para buscá-la - se explicou Henry - por isso vim direto aqui hoje, para conversar com Dalila e tirar a história de ontem a limpo. - contou Henry olhando ora para Dalila ora para Rheet.

- Acredito que a Dalila não vai querer falar sobre isso hoje - disse Rheet - ela está muito cansada de ontem à noite, mas eu estou falando de mais, ela é quem tem de dizer alguma coisa, por favor Dalila.

- Rheet está certo, eu não quero falar sobre isso, eu não queria nem ver seu rosto hoje, nem pintado de ouro, ainda mais depois do que você me fez passar ontem Henry, você além de não cumprir com sua palavra, me humilhou e nem quis escutar minha versão da história, pessoas desse tipo não fazem parte das pessoas das quais eu costumo considerar, e se você tivesse consideração por mim ontem à noite, você não teria me deixado lá, atirada na água. - Dalila estava segurando as lágrimas mas estava realmente difícil disfarçar a voz, pois em sua garganta tinha uma espécie de nó que não a deixava falar direito - Rheet foi o único que ficou ao meu lado, mesmo você sabendo que ele o faria, ele foi quem cumpriu sua palavra, porque palavra eu percebi que você não tem, então por favor, eu já falei mais do que queria hoje, vá embora, e me deixe sozinha.

- Dalila, me desculpe, eu sei que errei. – se desculpou Henry.

- Henry, você errou ao aparecer naquela sala de cinema, você virou minha vida de ponta cabeça, eu quis te ajudar mas percebi que esse foi o meu maior

erro, mas realmente é difícil não deixar se levar por esse seu rosto. A única coisa boa que aconteceu durante todo esse erro foi o Rheet, que demonstrou ser uma pessoa carinhosa, de palavra, amiga e companheira, ao contrário do que você demonstrou ser. Desculpe talvez um dia eu te perdoe, mas esse dia não é hoje.

- Estou entendendo o que está acontecendo aqui - disse Henry nervoso e triste ao mesmo tempo - você e o Rheet aproveitaram enquanto estive ausente, agora que eu percebi que você está usando as roupas dele! Você fala que eu não tenho escrúpulos, que é o resumo de tudo o que você me disse até agora, mas é você que não tem, dormir com meu melhor amigo, se fazer de vítima e ainda bater na minha namorada, eu é que retiro meu pedidos de desculpas - disse Henry furioso até ser interrompido por Rheet.

- Olha aqui Henry, você não pode afirmar que eu e Dalila passamos a noite juntos, porque não passamos, ela só pegou uma roupa emprestada minha, e novamente, você não está querendo escutar o ponto de vista de Dalila sobre sua EX-namorada até onde eu saiba, então abaixa esse tom, não se esqueça que você está em minha casa, e por favor, você já causou danos suficientes hoje aqui, vamos conversar amanhã, vá embora. - pediu Rheet com calma.

-O gato sai e os ratos fazem a festa, ok, e Lisa é minha namorada agora, após tudo que aconteceu ontem, percebi o erro que fiz em largá-la, Ainda bem

que não deu para cair na lábia de outras mulheres - disse olhando para Dalila - e sobre o tormento que eu levei a você no Brasil, deve ter sido você causou tudo aquilo, então não me culpe ok?! Passar bem vocês dois.

Henry saiu pisando duro, e finalmente Dalila pode soltar novamente o choro que estava segurando durante a conversa toda. Rheet mais uma vez lhe abraçou, mas não foi como antes, ele simplesmente colocou as mãos em seus ombros e deu um carinhoso aperto, como se dissesse "aqui você tem um ombro amigo".

- Rheet, obrigada por tudo. - disse Dalila entre as lágrimas.

- Não há de que - respondeu Rheet - Agora acho melhor você voltar a se deitar um pouco, você dormiu muito pouco essa noite.

- Acho melhor mesmo - falou Dalila - aconselho você a fazer o mesmo, sua cara também não está boa, assim como a minha.

- Você está com a cara ótima Dalila, é difícil alguma coisa ofuscar sua beleza.

- Eu não quis dizer isso - explicou Dalila abrindo um meio sorriso - e por favor, pare com isso, eu estou um bagaço.

- Bem, eu já falei o que penso, agora vá.

- Ok. Até mais tarde.

Dalila voltou para o quarto, e adormeceu. Depois de algumas horas, Wilfres bateu em sua porta, perguntando se ela não gostaria de descer para jantar. Dalila que ainda estava acordando, respondeu que sim. Ela levantou, jogou um pouco de água no rosto e desceu. Rheet mais uma vez estava já na mesa, comendo.

- Nem para me esperar, hein?

- Pensei que você não fosse descer.

- Bem, mas aqui estou.

- Senta aí então, fique à vontade.

- Obrigada.

Depois de um tempo sem nada falarem, Rheet interrompeu o silêncio.

- Pensei em uma maneira de você conseguir voltar para o Brasil.

- Sériooo? Como? - perguntou Dalila atenta.

- Posso te colocar dentro do meu jatinho particular, e fingir que vou passar uns dias no Brasil, e te levar até lá.

- Mas para isso eu não preciso de passaporte?

- Então, eu pensei nisso, e por isso vou ter que te colocar escondida dentro do avião, talvez dentro de uma mala, ou como uma aeromoça, vamos ver o que vai cair melhor.

- Mas você acha que daria certo? - perguntou Dalila com os olhos brilhando.

- Acho que sim, como eu sou da Família Real, é difícil alguém querer revistar meu avião, tudo correrá bem.

- Se você está falando, eu acredito, quando podemos ir?

- Hoje já está escurecendo, então acho melhor irmos amanhã, no comecinho do amanhecer, pode ser?

- Por mim está ótimo.

- Combinado então.

________________________________________

Cidadão Kane - 1941

Bem, como o Henrique Miné e o Mais Um Imundo No Mundo Impuro (vc pode me falar seu nome?) falaram desse filme nos comentários, eu o aluguei e assisti.
O filme é em preto e branco, e realmente é um filme muito bom, mas na minha opnião deveria chamar Cidadão Americano - que não ama, quer ser amado - mas a época não permitia tal façanha.

Sinopse: Jornalista investiga a vida de milionário da imprensa que morreu deixando apenas uma palavra como pista: rosebud.

Quem não assitiu o filme, por favor, não leia essa parte!
Sobre Rosebud, o que eu entendi sobre o significado da palavra foi que - Rosebud o carrinho de esquiar do Kane marcou uma passagem na vida dele, de uma época feliz com a mãe a uma época sem ninguém e sem a real felicidade, que foi como ele morreu! Alguém tem alguma opnião diferente?

Curiosidade: Orson Welles é o diretor e ator principal do filme - um importante nome nos EUA.
"O nome de Orson Welles entraria definitivamente para a antologia das artes americanas no ano seguinte. Semanalmente, Welles transmitia pela rádio CBS um programa teatral de uma hora. Mas no Dia das Bruxas (o tradicional Halloween) de 1938, Welles entrecortou o programa narrando ''A Guerra dos Mundos'', de H.G. Wells, na forma de boletins.

A notícia era a de que marcianos haviam chegado à Terra e estavam em Nova Jersey. Dado o realismo da transmissão, milhares de pessoas entraram em pânico e começaram a fugir de suas casas. O sucesso foi imediato. Apressando-se em aproveitar aquele talento, executivos da RKO logo procuraram Welles e o levaram finalmente para Hollywood. O contrato, de US$ 250 mil adiantados, previa dois filmes. Welles teria total liberdade de criação para produzir, escrever os roteiros, dirigir e atuar. Não bastassem tantas regalias, de forma inédita a RKO ainda prometeu porcentagem dos lucros."

Bem, é isso por hoje!
Até a próxima.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Alice no País das Maravilhas - Avril Lavigne

Bem pessoal,a próxima parte da história de Dalila será postada amanhã sem falta. Só para não ficar sem postar nada, venho eu postar o novo clipe na Avril sobre o filme Alice Underground - que promete mtoo!
EU AMO as músicas da Avril e mal espero por ver o filme!

Beijos e até amanhã.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

We are the World / Parte 17 / Na Companhia do Medo



Oi galeraaaaaaaaa!!
Estou aqui às 00:43 do dia 14 de fevereiro - conhecido em muitos países como dia dos namorados e conhecido por mim como aniversário da minha irmã Ivy - a Caixa, O Espelho e eu - ela está completando seus 21 anos,e fez esse blog a pouco tempo!! Ela é totalmente diferente de mim, gosta de metal, epica, e cantar, então quem se interessa por isso vai gostar do blog dela!

Bem, esse vídeo aí em cima é como o do Linkin Park que eu postei ontem, em prol do Haiti, eu curti demais o vídeo, que conta com muitos cantores e atores que eu adoro, como Jammie Fo, Celine Dion, Maroon 5, The Fray, Miley Cyrus, Lil Wayne, Black Eyed Peas, Akon, Usher, Justin Bieber, Jonas Brothers, Akon, Drake, LL Cool J, Jordin Sparks, Janet Jackson, Pink, a Nicole do PSD, Wycleaf Jean e o próprio Michael Jackson! Tem vários outros cantores que eu não sou muito familiar com, mas os que eu conheço eu mencionei!!
Eu gostei bastente mesmo, a música ficou bem eclética, a parte com os rappers foi a melhor, mto legal!! Eu espero que vocês assistam e gostem!

____________________________________________

Vamos agora então a segunda parte do Blog, a continuação da história de Dalila - para quem ainda não teve a oportunidade de ler toda a história tem um RESUMO para quem quiser ler, e a parte 16 que é a continuação após o resumo para vocês poderem acompanhar a história!

Parte 17 - Uma Importante Parte da História de Dalila :

- Ao contrário de Henry, eu conheço a verdadeira Lisa, ela já aprontou muito nas costas dele, eu sei do que ela é capaz.

- Que bom que você sabe, a mulher é totalmente pirada. - falou Dalila apontando para sua cabeça e girando o dedo - Ela me mandou sair da casa de Henry, só que como eu não tenho para onde ir, falei que só sairia se ele me pedisse, ela engrossou e eu engrossei com ela também, do nada a Lisa me empurrou e eu cai no riacho, ela se bateu e aprontou aquela cena toda.

- Eu posso imaginar a Lisa fazendo isso, agora tenta se acalmar, você ainda está muito nervosa, já já chegaremos em casa e você poderá tomar um banho e dormir tranquilamente.

- Eu posso ficar na sua casa essa noite então?

- Você não pode, você deve e vai ficar em casa essa noite.

- Obrigada por estar sendo tão gentil comigo.

Parece que tudo que aconteceu na noite passada fez com que Dalila entrasse em um estado de choque, que tudo não passava de uma ilusão muito real e por isso mesmo, ela mergulhou em um sono profundo, do qual só o passar das horas poderia fazê-la acordar.

Dalila adormeceu no carro com a cabeça encostada no vidro. Chegando na casa de Rheet após algum tempo de viagem, ele a pegou no colo e com a ajuda do motorista a levou até o quarto de hóspedes, onde permaneceu até o amanhecer.
Ela acordou em um quarto de paredes cinzas, que combinavam com a cor do lençol e da coberta da cama onde estava, era um quarto com móveis rústicos, mas muito aconchegante. Dalila levantou e percebeu que seu vestido ainda estava molhado e que estava com uma tremenda vontade de ir ao banheiro, para sua sorte o quarto também tinha um banheiro, como na casa de Henry. Dalila rapidamente foi até lá, fez o que precisava e acabou se deparando com sua imagem no espelho. Observou seu cabelo, que estava totalmente desgrenhado, em baixo de seus olhos tinham duas profundas olheiras, estava com uma feição triste e acabada. Ela se apoiou na pia e se perguntou o motivo de tudo aquilo estar acontecendo justo com ela, que nunca ultrapassou os limites da normalidade, que sempre fora uma simples garota brasileira.

Depois de muito pensar, ela decidiu arranjar um jeito de ir embora ainda no domingo para o Brasil. Imediatamente foi procurar por alguma peça de roupa na cômoda que o quarto possuía diante dos pés da cama, onde encontrou um camisetão branco e um largo short. Dalila foi novamente ao banheiro para passar uma água no corpo e trocar de roupa, para que assim pudesse conversar com Rheet e achar juntos alguma solução para seu problema.

Dalila saiu do quarto, se deparou com várias portas de madeira antiga, não tentou abrir nenhuma delas, só se dirigiu para a escada que tinha no final do corredor.

A casa de Rheet era muito bonita, porém como o quarto era uma casa rústica. Rheet estava sentado em uma grande mesa tomando seu café da manhã. Ele percebeu Dalila olhando discretamente para ele, tentando não ser percebida, mas não deu muito certo.

- Pode sair de trás da porta Dalila, eu não mordo não - avisou Rheet com uma largo sorriso no rosto - Quer tomar café da manhã comigo?

- Não sabia que você conseguia me ver, foi mal - se desculpou Dalila - Obrigada - disse se sentando ao lado dele na ponta da mesa.

- E aí, você está melhor hoje? Dormiu bem?

- Sim, dormi - respondeu Dalila - eu peguei essa roupa que estava na estante do quarto, espero que não tenha problema, meu vestido ainda estava molhado!

- Não tem problema nenhum, essas roupas são minhas e antigas, os empregados guardam lá, para depois de um tempo doar um tanto bom de roupas.

- Hm ok! Mas me conta, como eu fui parar naquele quarto?

- Imaginei que você fosse perguntar mesmo, eu te carreguei até o quarto, porque você caiu em um sono profundo, e não quis te acordar.

- Como você conseguiu me carregar? Você é forte e talz, mas eu sou pesada, e tem muitos degraus nessa escada.

- Eu sou forte, eu me garanto - disse dando uma gargalhada - mas você é realmente pesadinha.

- Como é que é? - disse Dalila olhando brava para Rheet.

- Brincadeirinha - Rheet agora deu uma gargalhada maior ainda - te carreguei tranquilamente!

- Assim é melhor! - retrucou Dalila também dando uma gargalhada.

- Então, mudando totalmente de assunto, você pode me contar a misteriosa história que envolve você e o Henry, na qual ele falou que eu não acreditaria?

- Ah, você quer falar do Henry já logo cedo? - perguntou Dalila olhando para sua xícara.

- Bem, é que eu queria entender a história de vocês, para saber como vou poder ajudar a concertar o engano de ontem.

- Acho que não tem o que concertar, este quebrado não tem reparo!

- Bem, mas de qualquer maneira eu estou curioso para saber da inacreditável história que Henry não quis me contar!

- Ok, você não vai acreditar, mas vou contar mesmo assim. Eu estava no Brasil, indo na minha sessão de cinema de sempre, estava indo assistir um filme dele, o que ele está gravando agora!

- Calma como você estava indo assistir um filme que ainda está sendo gravado?

- Não me interrompa, escute a história inteira e depois você pode perguntar qualquer coisa. Como eu ia dizendo, estava assistindo o filme, quando o Henry caiu da tela do cinema..

- Hã?

- SHII, eu disse para não me interromper. Como só tinha eu na sala de cinema, fui ver o que tinha acontecido, como ele tinha batido a cabeça com força, acabei levando ele para minha casa, pois ele não falava português e estava precisando de cuidados. Depois de passar um noite no Brasil, nós voltamos na sala de cinema, para ver se encontrávamos alguma coisa sobre a loucura que estava acontecendo em nossas vidas, e acabou que viemos para Londres, na gravação do filme que eu estava assistindo. Agora, se você me perguntar o porquê disso acontecer, eu não sei te dizer. Desde que estamos em Londres, ou seja, um dia e meio, eu fiquei na casa dele, até podermos ir até a gravação e eu poder voltar para o Brasil. Pronto, acabei, agora pode perguntar.

- É realmente inacreditável essa história, mas se você está dizendo, e o Henry também falou que era inacreditável, acho que eu acredito, acho que entrei em contradição, mas você entende o que eu quero dizer?

- Acho que sim.

- Mas e entre vocês, não rolou nada?

- Não, e por que rolaria? Eu conheci o cara não faz nem 3 dias!

- Bem, ele é um ator famoso, bonito, e você também é bonita, olhando é difícil não pensar que algo não aconteceu!

- Mas não aconteceu! - reforçou Dalila - Ele é um cara idiota e esnobe, não faz meu tipo!

- Ontem não pareceu que você pensava assim dele, seu olhar dizia outra coisa!

- Ontem foi um dia que já passou, e eu pude perceber o jeito que ele é, agora, por favor, vamos parar de falar do Henry - pediu Dalila já com água nos olhos.

- Dalila, eu sei que não foi nada legal o que você passou ontem e o que Henry fez você passar e sentir também, mas você tem que esquecer isso, o Henry tem esse defeito, ele é muito inocentão, acredita facilmente nos outros.

- Chega de defendê-lo, eu não quero falar dele, eu ainda estou muito chocada com o que aconteceu ontem - as lágrimas começaram a escorrer no rosto de Dalila, eque continuou falando com uma voz de choro - ele conseguiu me machucar mais do que eu podia pensar tudo que se passou ontem foi de mais para minha cabeça, eu ainda não consegui maquinar tudo aquilo, a humilhação que passei e o jeito que Henry me tratou, então, por favor, não vamos mais falar sobre isso!

Rheet saiu da ponta da mesa e se aproximou da cadeira de Dalila, lhe estendeu a mão e na hora que Dalila correspondeu ao chamado, ele a puxou da cadeira e a abraçou forte.

- Sinto muito pelo que você passou ontem, se eu pudesse voltar no tempo e evitar tudo, eu o faria.

Dalila o abraçou forte também e desatou a chorar. Eles ficaram abraçados por um tempo, até serem interrompidos por...
___________________________________

Agora vamos a terceira e última parte do post. Hoje vou recomendar um filme meio antigo já que se chama:

Na Companhia do Medo

Um filme que fala sobre espíritos e loucura, o que os psiquiatras realmente tinham que saber para exercer aprofissão e não chamarem qualquer pessoa que ve espíritos ou sofre influência deles de loucos, isso é um assunto sério!
O filme é um suspense/terror muito bem feito, conta com a Halle Berry, Penelope Cruz e o Robert Downey Jr. o seu primeiro filme após sua recuperação das drogas, em ótimas atuações!
Só tem um defeito, não foi o espírito que cometeu o ato de assassinato, isso é impossível acontecer, só humanos podem tirar a vida de outros humanos, e não espíritos tirarem a vida de um humano, só para deixarem vocês mais tranquilos. Bem, foi o que eu li pelo menos!

Sinopse: Psiquiatra acorda em manicômio, sem lembrança alguma dos últimos dias e acusada de assassinato.

Está recomendado e vocês encontram em qualquer locadora, para quem tem Sky, está passando direto nos canais, fiquem ligados!

É só isso, aliás, tudo isso por hoje!
Espero que gostem!!
Até a próxima.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Parte 16/ Linkin Park - Not Alone

Oi pessoal!!!

Aqui vai um video do Linkin Park, uma das minhas bandas favoritas (que inclue a banda Fort Minor - na qual o Mike Shinoda participada tb). Esse video é em prol do Haiti - parece que virou moda fazer vídeos para o Haiti, mas anyway, a música é bem lenta, mas tá valendo!

__________________________________________

Falei que voltava ontem com a história de Dalila, sorry, dei uma atrasada!! ;D

Vamos então continuar a história.

Parte 16: Uma Importante Parte da História de Dalila.

- Vamos parar com o papo furado - disse Lisa - eu quero você fora da casa do Henry hoje, quem você pensa que é pra aceitar ficar na casa de um homem que tem namorada?
- Que eu saiba Henry não é seu namorado, e foi uma questão de urgência eu ter ficado na casa dele.
- Ele vai voltar a ser meu namorado em breve e é por isso mesmo que eu não quero uma vadia na casa dele, que passa uma noite com ele e pensa que já tem algum significado para ele.
- Escuta aqui sua modelo de meia tigela, eu não dormi com ele, e se eu tenho algum significado ou não na vida dela esse é um problema meu, e se você também tem algum significado na vida dela, isso é um problema seu, agora a vadia aqui não sou eu e sim você, por vir me insultar dessa maneira.
- Vadia eu? Modelo de meia tigela eu? Garota você não sabe com quem está falando, quero você fora da casa dele hoje, estamos entendidas?
- Acho que quem tem que decidir isso é o Henry e não você!
- Se você não sair por bem, vai sair por mal!
- Ah é, e quem que vai me tirar de lá? - disse Dalila perdendo as estribeiras.
Foi nesse momento que Lisa a empurrou para trás, e Dalila perdendo o equilíbrio caiu dentro o riacho que passava por baixo da ponte em que estava. Lisa vendo a cena disse:
- Eu disse você não quis acreditar - e deu uma grande risada.
Dalila que ainda estava recuperando o fôlego pelo susto que levou, se sentou na água. E aí Lisa gritou:
- AI - e se deu um tapa no rosto, arranhando sua própria face - por que você fez isso Dalila? Eu disse que deixava o caminho livre para você e pro Henry. Não, fique longe de mim.
Nesse momento os músicos e alguns curiosos que escutaram o grito dela chegaram perto para ver o que estava acontecendo. Lisa disparou a falar pra quem estava perto:
- Por favor, ajudem ela, ela veio para cima de mim, para me bater de novo, e eu acabei a empurrando sem querer e ela caiu, por favor ajudem-na! - e desatou a chorar.
Como Lisa era falsa, como ela pode armar todo aquele circo para se posar de boazinha.
Muitas pessoas começaram a chegar perto de onde Lisa e Dalila estavam, mas era incrível como ninguém chegava perto, parecendo que tinham medo de pegar alguma doença que elas poderiam ter, uma doença chamada vergonha. Todos cochichavam, e cada vez chegavam mais pessoas.
Dalila que ainda estava em estado de choque com tudo aquilo que estava acontecendo, começou a se levantar. Quando ela finalmente conseguiu levantar, lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto, ela não conseguia se lembrar o motivo de estar nesta festa, passando toda essa humilhação.
Henry e Rheet chegaram depois de poucos minutos, eles se depararam com um bando de abutres ao redor de da ponte do jardim, e realmente ficaram surpresos por encontrarem Dalila e Lisa como centro das atenções. Henry, vendo Dalila ainda dentro do riacho, se aproximou dela rapidamente, e estendeu a mão para ajudá-la a sair de lá. Nessa hora Lisa veio em seu encontro, e começou a chorar, falando:
- Me desculpe Henry, tudo aconteceu muito rápido. Foi sem querer que eu, me desculpe, mas eu pensei que ela fosse me bater de novo.
- Do que você está falando? - disse Henry, que nesse momento largou a mão de Dalila, ela perdeu o equilíbrio e novamente caiu no riacho. - Dalila, me desculpe, eu não percebi que soltei a sua mão.
- Ela disse para eu ir embora da festa, e nunca mais te procurar Henry. Eu disse que isso não era uma escolha dela, mas sua, e foi aí que ela me deu um tapa - e virou o rosto para que ele pudesse ver a marca de sua própria mão em seu rosto, e o arranhado que provocara com suas próprias unhas.
- Dalila, você fez mesmo isso que a Lisa está falando?
- Não - Dalila não sabia em que focar, olhando ora para Lisa ora para Henry - é claro que eu não fiz isso, ela me empurrou e fez esse circo todo, ela está mentindo pra você.
- Se ela está mentindo para mim, como que essa marca de mão e esses arranhados vieram parar na face dela? - disse Henry bravo.
- Ela se deu um tapa - afirmou Dalila apontando para Lisa - Você tem que acreditar em mim - disse como se tivesse pedindo piedade.
- Eu sei que Lisa não seria capaz de tal façanha - disse Henry indo na direção de Lisa - Eu não acredito que eu realmente estava passando a gostar de você, como você teve coragem Dalila? - perguntou Henry abraçando Lisa.
- Eu não fiz nada - disse Dalila aos prantos.
Henry balançou sua cabeça negativamente olhando para Dalila, e deixou Dalila no riacho, indo embora com Lisa em seus braços.
Todos olhavam escandalizados para a situação. Mas entra a multidão de abutres, surge o salvador de Dalila, Rheet, que vai em direção de Dalila, entra no Riacho e entende a mão para ela com um largo sorriso no rosto.
- Agora você está rindo de mim? Eu não preciso de ajuda de alguém que acha graça nessa situação. - Falou Dalila inconformada com tudo aquilo.
- Eu não poderia estar rindo de você, eu estou vendo pelo que você está passando, eu só queria que você se alegrasse com um sorriso amigo, que está aqui para te ajudar.
- Ahw, me desculpe então - falou Dalila agarrando sua mão - obrigada por estar aqui.
- Não tem problema - disse Rheet, que pegou Dalila no colo e a levou para fora do riacho.
- Não precisava ter me pegado no colo, eu sei andar. - disse Dalila que ainda estava com os nervos à flor da pele.
- Eu sei que você sabe andar - concordou Rheet - mas vocês mulheres e esses saltos, provavelmente você teria escorregado novamente seu eu não tivesse te segurado no colo.
- Tá bom vai, mas de agora em diante eu ando com meus próprios pés ok!
- Acho melhor agente ir embora, esses curiosos não vão parar de falar sobre o aconteceu a noite inteira.
Dalila concordou com Rheet, e juntos saíram do castelo. Enquanto o carro não chegava, Rheet tirou seu paletó e deu para Dalila, que já estava tremendo de frio. Eles entraram rapidamente no carro. Depois de algum tempo andando na estranha, Dalila indagou:
- Por que você me ajudou?



Beijos e até mais!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Resumo / Super Heróis

Olá Povão,
Estou percebendo que tem muitas pessoas conhecendo o blog, e que ainda não tiveram a oportunidade de acompanhar a história de Dalila por inteiro, e também muitas pessoas que já acompanhavam o blog e não conseguem ler todas as partes da história por contra-tempos!!

Então aqui está o resumo das 15 partes que eu escrevi até agora!! Iria ser melhor se pudessem ler a história, pq não sou muito boa em resumo, mas sei que muitos são ocupados, então espero que gostem mesmo assim!!

RESUMO

Parte 1 a 5:

RESUMO: Dalila é uma menina de 18 anos que se mudou para São Paulo para fazer faculdade. Como ela era cinéfila, sempre ia assistir aos seus filmes preferidos mais de uma vez. Numa sessão, só tinha ela no cinema, aconteceu algo inesperado, alguém caiu da tela, era um homem, um ator para falar a verdade, tratava-se de Henry Linderman, 23, um lindo ator inglês famoso em Holywood, metido e orgulhoso. Com a queda ele ficou com dores na cabeça e pediu ajuda. Dalila com medo de pedir socorro e alguém a chamar de louca ao contar o que acontecera ou que ele desaparecesse quando ela voltasse, ofereceu-lhe ajuda. Eles foram para o apartamento de Dalila. Henry dormiu na cama dela, e ela dormiu na sala.
No outro dia de manhã, Henry pediu uma toalha para tomar banho, enquanto Dalila saiu para comprar café da manhã. Ao voltar, Dalila se deparou com um homem pelado andando em seu apartamento, Henry tinha esquecido a toalha no sofá. Após esse momento constrangedor eles foram tomar café da manhã, até que a campainha tocou... e é agora que começa a sexta parte!

Parte 6 a 9:

Era o namorado de Dalila, Enzo, que estava na porta, ela pediu pra Henry se esconder até conseguir se livrar de seu namorado. Depois disso eles se trocaram e decidiram voltar a sala de cinema de onde Henry saiu para procurar pistas. No caminho para o cinema, Henry contou a Dalila o pq que as pessoas falam que ele não tem consideraação pelas fãs ou que ele é esnobe, aconteceu um fato com ele, em que uma fã descontrolada atirou nele, e disse " Se vc não vai ser meu, não será de mais ninguém". Henry conseguiu sobreviver, mas seus seguranças acabaram tendo que atirar na mulher que não resistiu e morreu.
Chegando ao cinema, ao entrar na sala, eles viajaram pelo tempo e espaço, e foram parar em Londres - Inglaterra, onde estava sendo gravado o filme, inclusive eles apareceram na frente das cameras!
Dalila ficou em um canto esperando o final das gravações, após isso Henry a levou para sua casa em sua limosine. Chegando lá se deparou com uma casa linda, aquelas casas tradicionais de londres que são umas grudadas nas outras, e ao entrar na casa se deparou com um interior estonteante, mas tinha algo mais estonteante ainda para chamar a atenção de Dalila, era...

Parte 10 a 15:

Dalila conheceu naquele momento a governanta da casa, uma linda e jovem mulher chamada Deborah. Depois de conversarem um pouco, Henry levou Dalila ao quarto de hóspedes, era uma suíte enorme na verdade. Passou a noite lá mesmo. Dalila acordou com as batidas na porta de Henry, falando para ela se trocar para irem tomar café. O detalhe era, Dalila estava de calcinha e sutiã porque não tinha um pijama com o qual dormir, ela se levantou, estava indo em direção ao banheiro, quando Henry entra novamente no quarto trazendo roupas limpas para ela vestir, e acabou pegando ela semi-nua. Ele saiu rapidamente, Dalila não quis comentar o assunto, só disse que estavam quites.

Ao abrir a porta para saírem, eles se deparam com paparizzis, que fotografam Dalila para seu desespero. Henry tenta acalma-la, dizendo que os fotógrafos possam não ter pego um bom ângulo de seu rosto na foto. Eles decidem sair de carro e tomar o café em uma padaria mais longe. No caminho Henry despista os paparizzis, chegando na padaria. Lá eles conversam sobre amores passados, e Dalila acaba ficando mexida com as histórias de Henry, para falar mais claramente, ela fica com ciúmes.

Voltando para casa eles se deparam com um amigo de Henry, Rheet , que foi visita-lo para combinar de como iriam a uma festa promovida pela família real no castelo Windsor, que ocorreria mais tarde naquele dia. Depois de Rheet arrumar um convite para Dalila, Henry a convidou. Ela só aceitou na condição de que arranjassem um vestido para ela e que Henry não a deixasse sozinha durante a festa. Acordo feito, vestido comprado. Rheet foi buscar Dalila, que iria como sua acompanhante. Dalila estava como um princesa linda, mas algo a ofuscou, a ex-namorada de Henry que iria como seu acompanhante, ela era uma modelo, se chamava Lisa era linda.

Acabou que Henry não cumpriu com sua palavra, mas Rheet o substitui como um cavalheiro, sendo muito gentil e agradável, realmente um amor para com Dalila.

Lisa que não estava nada satisfeita com a presença de Dalila na casa de Henry, e por isso foi tirar satisfação com ela no meio da festa, e é aí que começa a parte 16 que postarei amanhã!!

_____________________________________________________________

Ontem eu me deparei com um poema lindo, em um blog cheio de poemas maravilhosos!! O blog do que falo é o CACOGAFIA (http://cacofagia.blogspot.com). Nele tem um homenzinho que adora escrever e fico grata por isso.

Aqui então vai o poema de que eu gostei muito, espero que vcs gostem tb! ;D

SUPER HERÓIS

Monstros marinhos,
Heróis de desenhos e quadrinhos,
Mocinhas de velho oeste
E vilões sarcásticos com cara de cafajeste.

Super–Homem pensa que é Deus,
E o Tarzan pensa que é Gorila,
O Batman acha que é morcego,
Mas o que importa, é a Mulher-Maravilha!

007 na Inglaterra,
Homem Aranha em Nova York.
Uma legião de heróis nos países ricos,
Mas quem protege os países pobres?
Ah, está escrito nas revistas,
"Os países pobres só exportam terroristas"

Herói no Brasil é:
A Super-Maria e o Super-José,
Que saem para trabalhar,
De carro ou a pé,
Faça chuva, faça sol,
Não importa o lugar
Isso sim é aventura difícil de encarar.

São eles que sustentam esse nosso Brasil.
São eles que sustentam suas famílias.
Ignoradas, sem escola, saúde e alegria.
(Seria culpa da política?)

Nem o chapolin é daqui,
Importamos de outro lugar.
Eu sempre me pergunto
Onde esse país pode chegar?

-----------------------------------------

Lindo não?

Let´s go Super Marias e Super Josés!! As dificuldades estão por todos os lugares, vamos vencê-las dia a dia, sempre com um sorriso no rosto!!

Beijos galera e até amanhã!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Parte 15 / Beyoncé

Olá galera!! Hoje volto com mais uma parte de Dalila e pra falar um pouco do espetáculo que a Beyoncé deu e está dando no Brasil!!

Amanhã eu volto com o resumo das 5 últimas partes da história de Dalila!

Parte 15 - Uma Importante Parte da História de Dalila

- Me concede essa dança?- perguntou Rheet.

Dalila não era apaixonada por dançar, mas também odiava aquelas mulheres que falam que não gostam de dançar para fazer charminho. E foi por isso que ela aceitou o convite.

Ele pegou em sua cintura e estendeu sua mão para que ela pudesse apoiar a sua. Ele a conduzia divinamente, ela que realmente não precisava saber dançar perfeitamente, pois, quando você tem um bom guia, a dança flui.

- E aí, o que está achando da festa até agora?

- O castelo vai um pouco além do que eu imaginava, as pessoas são muito educadas, ao contrário do que eu pensava, e você também está sendo muito gentil, o que eu realmente não esperava devido as poucas palavras que trocamos na casa de Henry, parecia que você não tinha me curtido muito.

- Me desculpe, eu tenho essa tendência de comportamento perto de mulheres, fico seco e sem graça. - Rheet ficou vermelho nesse momento.

- Desculpas aceitas, eu conheço muitos homens que são desse jeito, não sabem se portar bem perto de estranhas.

- Mas agora, que tivemos a oportunidade de conversar no carro, eu percebi que você é uma ótima companhia, apesar do inglês estranho que você fala – disse Rheet lhe dando um olhar engraçado - você é bem calma, serena.

- Ahh, brigada - agradeceu - e obrigada pela parte que me toca sobre o inglês - disse rindo - você tem que dar um desconto, você sabe que eu não sou daqui. Eu me esforço o máximo para entender tudo e falar direitinho.

- Eu sei, eu sei, eu gosto do jeito que você fala.

Eles continuaram a dançar, até que Henry finalmente os achou, ele chegou de mancinho e tocou os ombros de Rheet.

- Posso? - disse olhando para Dalila.

- Claro. - deixou Rheet entregando a mão dela para Henry.

Dalila que até então não tinha escutado Henry chegar, se surpreendeu por ele estar sem a companhia de Lisa. Ela prontamente lhe deu a mão, e juntos começaram a dançar, Henry não era tão bom condutor como Rheet, mas ele quebrava muito o galho. Dalila acompanhou a deixa de Rheet que entrou novamente no salão principal.

- Por que você ficou olhando para Rheet? - perguntou Henry.

- Porque eu estava dançando com ele até agora, e ao contrário de você, era o que me fazia companhia até agora.

- Foi mal por isso, é que a Lisa me ligou de última hora e pediu para que eu a acompanhasse para vir a festa, não tive como dizer não.

- Ok, não importa agora, na hora que terminarmos de dançar, me faça um favor, me leve até Rheet, para que eu não fique sozinha.

- Eu estou aqui, agora com você não estou? Eu não vou te abandonar sem antes saber que você vai ficar bem.

- Ok ok.

- Mudando completamente de assunto, eu já te disse o quanto você está bonita essa noite? - sussurrou Henry em seu ouvido.

- Ainda não, mas obrigada, você também está muito elegante. - elogiou Dalila desviando o olhar.

A música que estava tocando terminou, Dalila em um movimento automático se afastou de Henry, para sairem da posição da dança. Henry, que continuou segurando sua mão, a puxou de volta, uma nova música começara. Sabe aquelas músicas que arrepiam sua espinha e atingem sua alma? Era uma música desse tipo que tinha acabado de começar. Dalila em silêncio acompanhou Henry em mais essa dança, ela se encostou em seu peito, sentindo sua respiração, seu cheiro e seu coração batendo, e foi aí que Lisa apareceu e cutucou Dalila, perguntando:

- Posso?

Dalila surpresa com a presença de Lisa, nem teve tempo de responder, pois Lisa a puxou pelo ombro, até que perdesse contato com Henry, e começaram a dançar.

Henry ficou olhando para Dalila, ela que não quis atrapalhar o momento dos dois saiu andando. Henry realmente não teve como escapar de Lisa, ela o pegou em uma conversa, e continuaram dançando.

Dalila foi até a ponte que tinha em no jardim, que não dava vista para onde Henry estava, ela não aguentava ficar olhando ele dançando com aquela mulher, que era completamente falsa. Depois de algum tempo admirando o jardim, e olhando a água correr, Dalila se surpreendeu com Lisa ao seu lado.

- Oi Lisa, não tinha te visto aí.

- Vamos parar com o papo furado - disse Lisa ....

___________________________________________

I Am ... Sasha Fierce - Beyoncé


Bem, estamos vendo por aí, através de vários meios de comunicação que a diva Beyoncé está arrasando no Brasil!! O show dela deve ser demais - perto que eu moro no raio que o parta e não tinha como ir pra Sampa, eita!!

Menos de 24 horas após o término do show de Beyoncé no Rio de Janeiro, já é possível assistir a inúmeros vídeos do espetáculo gravados por fãs e postados, em trechos, na internet. Um deles mostra o instante em que a cantora elogia o público brasileiro. "Nenhum lugar no mundo é como o Brasil. Estou muito feliz por estar aqui", diz a cantora no vídeo abaixo.
Fonte Uol.

E nenhum lugar é como o Brasil, aqui é terra de todos os santos, todos os povos, de qualquer coração!! Não tem quem não se encante!

Galera é isso por hoje!
Grande Beijo e até amanhã!

Fonte Uol.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Parte 14 / Do Fundo do Coração

Olá pessoal!

Hoje tem mais uma parte da história de Dalila, finalmente estou tendo tempo e inspiração pra continuá-la!

PARTE 14 - Uma Importante Parte da História de Dalila.

Henry e Rheet já estavam esperando Dalila no hall da casa, dava para Dalila escutá-los do corredor lá em cima, quando chegou à escadas e começou a descer ficou espantada com....

os olhares de Henry e Rheet que estavam encantados com a beleza de Lisa Vanderbird, que agora entrava pela porta da casa, o que ela deveria estar fazendo ali, perguntava-se Dalila, que nesse momento estava parada como uma está tua na escada.
Lisa após receber os cumprimentos de Rheet e Henry reparou em Dalila na escada encarando-a, Dalila por sua vez notou o olhar torto que Lisa a lançou, foi aí que ela começou a falar:
- Quem é essa encantadora mulher na escada? - disse dando um largo e falso sorriso para Dalila.
- Lisa - disse Henry - essa é uma amiga minha, o nome dela é Dalila, e ela está hospedada aqui em casa desde Justificar completamenteontem.
- Ah, então essa foi a moça que eu vi hoje com você no site de fofocas! Não dava para reconhecer o rosto dela, mas olhando bem, dá pra perceber que é ela, mesmo. – afirmou Lisa, medindo Dalila de cima a baixo.
Dalila estava aliviada de não ter saído reconhecível nas fotos, mas também não ficou pensando muito nisso, tinha coisas mais urgentes para pensar naquele momento.
- Eu ainda não tive a oportunidade de olhar as fotos que saíram - contou Henry coçando a cabeça - esse pessoal não deixa passar nada!
- Pois é, a conversa está boa - interrompeu Rheet - mas temos que ir. Dalila você vem comigo.
Rheet apontou a direção da porta, e logo deu um echarpe para que Dalila pudesse cobrir seu rosto. Ao saírem, perceberam alguns flashes de longe, mas os seguranças que provavelmente trabalhavam para Rheet já estavam controlando a situação.
O motorista rapidamente abriu a porta do Lincoln branco que estava aguardando-os, Rheet deixou Dalila entrar primeiro como um bom cavalheiro para depois entrar e se acomodar ao seu lado.
Depois de alguns poucos minutos, Lisa e Henry os alcançaram no caminho, eles estavam no Lamborghini de Henry, eles tentaram se manter próximos ao carro de Rheet.
Depois de percorrerem um longo caminho, com Rheet perguntando um pouco mais sobre Dalila e espiculando o que ela estava fazendo na Inglaterra, Dalila que já estava cançada de inventar histórias para enganar Rheet que estava sendo muito gentil com ela, começou a reparar em uma bela vegetação muito bem iluminada na bera de uma estradinha que agora estavam, ao olhar para frente se deparou com um grande portão, com uma pequena fila de carros na frente, onde vários seguranças se encontravam, eles usavam um uniforme muito sério, que chegava até a dar medo em Dalila, dessa vez nem os paparazzis conseguiram ficar do lado de fora, eles com certeza não tiveram coragem de encarar aquele armários de homens.
Eles aguardaram naquela fila, nesse meio tempo até conseguirem entrar, Rheet tentou acalmar Dalila, dizendo que caso o Henry não pudesse acompanhá-la durante a festa por causa de Lisa, ele ficaria feliz em acompanhá-la.
Dalila realmente ficou um pouco mais aliviada, pois, depois da cena que ela se deparou na casa de Henry, o jeito que ele olhava para Lisa, e ainda mais que ela estava com ele no carro, e até combinaram de vir juntos, era bem provável que ela sobrasse na festa. Chegou a vez do carro de Rheet de ser vistoriado e de confirmar os nomes na lista de convidados. Tudo ocorreu perfeitamente, o portão abriu rapidamente, e Dalila se deparou com o sonho que toda menina ou mulher tem na vida, um castelo de sonho de fadas bem a sua frente, ela apesar de ainda não ter recebido nenhum elogio, se sentia como uma princesa, era tudo tão perfeito, o castelo era enorme, tinha um grande patio no meio com um belo jardim enfeitando-o.
O jogo de luzes era perfeito, iluminava levemente o caminho dos carros até chegarem à porta principal, eram tantos carros chiques, tantas pessoas lindas e bem arrumadas, Dalila não achava que aquilo tudo era possível, ela em um conto de fadas, mas foi aí que ela lembrou que não tinha nenhum príncipe a sua espera, e que ela era uma mera desconhecida naquele meio, e que apesar de tudo isso, tudo iria acabar rápido, e iria ser como se nada tivesse acontecido. Ela ficou triste por um momento, até que Rheet após descer do carro, caminhou até a porta do carro onde ela estava, abriu-a e com um belo sorriso estendeu a mão para ela e disse:
-Vamos?
- Sim, claro - disse Dalila, esquecendo tudo que estava pensando, somente com aquele lindo e carinhoso sorriso.
O motorista retirou o carro, e na porta principal tinham dois daqueles guardas ingleses que usam aquelas roupas engraçadas, eles realmente não param de olhar pro mesmo lugar, era realmente bizarro.
Dalila e Rheet entraram no castelo, eles se deparam com um corredor cheio de ornamentos e peças antigas, mais a frente tinha uma frande escada que descia em forma de C até o salão principal, do outro lado dessa escada, também tinha outra, mas imagino que aquela seria ultilizada para quem já estava no castelo. Dalila e Rheet descerem o primeiro lance juntos, no meio da escada, eles foram anunciados por um homem que estava em uma sacada, como sendo Sr. Dashwood e Srta. Night. Rheet desceu rapidamente o lance de escadas que estava faltando, Dalila tentou acompanhá-lo,mas foi impossível com aquele salto, Rheet logo a abordou dizendo:
- Não, por favor, fique aí, não tive a oportunidade de admirá-la por inteiro. - ele disse lançando um olhar fatal.
Dalila não disse nada, só começou a ficar vermelha com a situação.
Rheet subiu devagarzinho até alcançá-la novamente, ele pegou sua mão, a beijou e disse:
- Você está linda essa noite. Vamos encarar o pessoal lá embaixo agora enquanto Henry e Lisa não chegam?
- Não tem outro remédio não é verdade?
- Infelizmente não.
- Ok então, mas por favor, fale a maioria do tempo, meu inglês não é tão afiado assim, e além do mais, não saberia o que falar.
- Pode deixar comigo, eu cubro você. - Rheet deu uma bela piscada e ofereceu o braço para que Dalila se apoiasse e andasse junto a ele.
Todos que Dalila teve que cumprimentar foram simpáticos para com ela, mas nenhuma delas deixou de perguntar de onde Rheet me conhecia, ele claro, procurou falar a verdade, claro, com alguns rodeios, disse que tinha conhecido Dalila na casa da um amigo, e que se tornaram muito amigos, e que ele
resolveu convidá-la ao baile poi adorava sua companhia. Claro, Rheet dessa forma para não falar que por ser sua acompanhante eu era sua namorada ou algo do tipo, mas era o que todos pensavam, estava estampado isso em seus rostos.
Henry e Lisa não demoraram a ser anunciados, Dalila olhou para os dois no salão, assim como todo mundo que já estava no salão, era incrível como os dois formavam um lindo par, Henry estava esplendoroso naquele smoking com gravata borboleta, seu cabelo estava levemente bagunçado e seus olhos que pareciam estar varrendo o salão a procura de algo, brilhavam como nunca, até que achou Dalila, seus olhos se encontraram, e ele abriu um lindo sorriso, e começou a descer, esquecendo Lisa no meio da escada.
Dalila não conseguia parar de olhá-lo, mas foi aí que a atenção de Henry se voltou para Lisa, que o estava chamando em suaves gritinhos, para acompanhá-la no último lance de escada.
Dalila que percebera a deixa, virou seu olhar para Rheet, que agora estava em uma entretida conversa com um conde não sei das quantas. Dalila fingiu estar por dentro do assunto, até que Rheet com um breve saudação começou a andar para uma grande porta que dava para um belo jardim nos funds do palácio.
Dalila que tinha seu braço cruzado com o de Rheet o acompanhou, até que ela disse:
- Henry está vindo aí, você não quer esperá-lo?
- Oh, até ele nos alcançar vai uma meia hora, até eles comprimentarem todo mundo que passe na frente deles. - disse Rheet continuando andando - Venha, quero
te mostrar como é lindo os jardins do castelo!
- Mas agente já passou pelo jardim!
- Não, não, aquilo são somente umas plantas para enfrentar a entrada dos carros - Rheet deu uma risada - esse é o jardim do castelo - e apontou para fora.
- Meu Deus - era a única palavra na qual Dalila poderia pensar, o jardim não era nem de perto como o de fora, havia muitas flores, arbustos cortados de várias formas, com chafarizes em vários pontos daquele imenso jardim, tinha até uma pequena ponte sobre um riacho que por ali passava. O mais incrível de tudo era a iluminação, apesar de estar de noite, era possível reparar em detalhes, mesmo sem uma luz ofuscante, era tudo leve, bonito, e extravagante.
Em um ponto do jardim tinha um círculo de concreto, onde acabava um dos vários caminhos do jardim, tinha um grupo de músicos, com violinos e um violoncelo, muito parecidos com os que estavam no salão exceto pela falta de um piano.
Não tinha muitas pessoas no jardim, apenas alguns curiosos olhando um canto ou outro. Rheet conduziu Dalila até perto dos músicas, que estavam tocando uma bela música, e retirou o braço dela do seu, e perguntou:
- Me concede essa dança?

____________________________________________

Então galera, vcs devem estar se perguntando o que eu vou falar do fundo do coração né?!
Bem, não vou filosofar nem nada, só contar alguns acontecimentos recentes e outros que estão por acontecer!!

TIMÃÃÃOOOO EOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!

Pois como todos sabem, o Corinthians no ano de 2009 conquistou o título Paulista e a Copa do Brasil, nesse ano, pelo que tudo indica, vai conquistar o título Paulista novamente e se Deus quiser e ele quer a Libertadores!! IHULLLLLLLLLL!!

Nesse ano, tivemos mais uma ilustre convocação, o Roberto Carlos que teves brilhantes convocações do futebol brasileiro há algum tempo atrás, tava fazendo bonito no exterior e agora está jogando no timão junto a seu antigo companheiro Ronaldo!
Claro também continuamos com os ilustres jogadores, como o Dentinho, o Chicão, a muralha ambulante o Felipe, Jorge Henrique e muitos outros!!


Essa foto foi do jogo de ontem contra o Sertãozinho, o timão ganhou de 4x0 do Sertãozinho!! E por favor palmerenses, não vem comenta abobrinha hein, seu timeco perdeu pro meu outro dia!! Então SHIIIIIIIIIIIII!! ahuHAuAhhA! (brincadeira povo, os porquinhos são bem-vindos).

O Corinthians possui a segunda maior torcida organizado do país, a torcida mais Fiel, que faz o melhor espetáculo que qualquer um poderia ver!!
Também possuímos uma escola de samba, Gaviões na Fiel, que brilha muito no carnaval, e esse ano, vai brilhar novamente, e quem sabe até leva o título!!

É isso galera, eu amo meu time, assim como meu vô me ensinou!!

Vamos Corinthians, Vamos Corinthians, Vamos ser Campeão!!

Na garra, no sofrimento, mas tudo acaba bem depois!!

Bjooo galeraa.. e até amanhã!

Fonte foto: uol

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Parte 13 / Indicados ao Oscar 2010

Oi povãooo...
E aí como estão hoje?!

Queria falar que as vezes encarna a filósofa aqui e escreve algumas coisas como no post anterior! Não liguem é normal! AHuAhuHuahua!!

Hoje volto com mais uma parte da história de Dalila, e também abaixo vou falar um pouco das indicações ao Oscar!

Só avisando, aos garotos, que essa parte da história é maais para as meninas, mas recomendo ler para entender as próximas partes!

Parte 13 - Uma Importante Parte da História Dalila

- Bem, ele é realmente da nobreza, mas não parece - afirmou dando uma risada - e só vou à festa se você quiser ir também. Vamos comigo?

- Calma, explica isso direito.

- Bem, o Rheet quer muito que eu vá, e é uma festa importante que não ia ser legal se eu não fosse, mas não quero deixar você aqui sozinha, ainda mais que você não conhece a cidade direito. Então, como eu não tenho um convite para acompanhante o Rheet ofereceu o dele para você poder ir, entendeu?

- Hm tá entendi - disse Dalila que agora estava andando de um lado para o outro na frente do sofá onde agora Rheet e Henry estavam sentados - Mas de qualquer forma, tudo é muito complicado, provavelmente irá ter milhares de fotógrafos por lá, e não seria legal me fotografarem mais uma vez aqui na Inglaterra e ainda de moletom.

- Você não entendeu ainda sobre quem é a festa - disse Rheet - é uma festa promovida pela realeza, não tem paparazzis, só claro, os que ficam nos portões tentando clicar alguém dentro dos carros, já na festa só têm fotógrafos contratados, e nenhuma foto pode ser publicada sem a permissão da pessoa que está nela, entendeu?

- Não sabia me desculpe - disse Dalila sentando no sofá ao lado - mas mesmo assim acho melhor não, eu não tenho roupa para ir e ainda eu não vou saber me portar em uma festa como essa e ainda não conheço ninguém que vai estar lá, então não, obrigada pelo convite.

- Isso é o de menos Dalila - falou Henry levantando-se e sentando ao seu lado - agente arruma um vestido para você, e lá você vai se entrosar, e caso isso não ocorra, prometo que fico perto de você o tempo todo. Você pode fazer isso por mim e pelo Rheet?

- Hmmm.. - Dalila queria fazer um clima de suspense - E onde arranjaríamos esse vestido?

- Te levo na Dolce & Gabanna para você escolher um, eu fui provar meu terno lá e notei vários vestidos bonitos.

- Você disse Dolce & Gabanna? - falou Dalila encarando-o de boca aberta.

- Sim. - Henry agora estava encarando seu relógio.

- Eu não tenho dinheiro para comprar um vestido desses.

- Dalila, você está fazendo um favor para mim, eu pago. Agora vamos, o tempo está curto, a festa é daqui algumas poucas horas.

- Tudo certo então, eu passo aqui às 20horas para pegar a Dalila.- disse Rheet se levantando.

- Combinado então - Henry disse indo até a porta com o Rheet - até mais tarde.

- Dalila - chamou Henry - vamos?

- Vamos - disse Dalila chegando ao hall.

Eles foram juntos até a garagem, e dessa vez Henry não pegou as chaves da BMW, e sim a chave do Austin Martin.

- Por que não vamos na BMW?

- Quando eu saio de casa sozinho, eu costumo pegar meus carros esportes, assim os paparazzis pensam que estou sozinho.

- Ah tá, ok, abaixar novamente?- perguntou Dalila.

- Sim, seria melhor. - Henry terminou entrando no carro.

Incrível o carro, o barulho do motor não era tão grande, mas dava para sentir a potência do carro.

Eles andaram um bocado até chegar a loja. No caminho Dalila perguntou:

- Por que Rheet vai me pegar às 20horas?

- Você vai ter que ir com ele, já que você é acompanhante dele, mas eu estarei logo atrás.

- Mas não é muito cedo para uma festa?

- Ah não, a viagem até o castelo leva mais ou menos uma hora, chegando lá já vai ter uma fila de carros para entrar no castelo. A festa é as 22h.

- Ah ok, eu tinha esquecido desse detalhe, é tanto informação para a minha cabeça, que esqueci que a festa vai ser em um castelo.

Henry deu um sorriso e ligou o som. Chegaram em uma rua que era cheia de lojas de grifes famosas, Henry já parou na frente da Dolce & Gabanna, onde um manobrista foi até ele para estacionar o carro. Dalila e Henry desceram e entraram na loja.

- Oi Senhor Linderman - disse uma mulher que parecia ser uma vendedora, o que posso fazer para ajudá-lo hoje?

- Eu vim pegar meu smoking e queria que você mostrasse alguns vestidos para a Srta... hmm... Srta. Night. - disse piscando para Dalila.

- Por favor, Sr, Linderman, sente-se e aguarde um pouco, já já eu volto com seu smoking, um garçom virá servir algo. - a vendedora disse olhando para Dalila - Me acompanhe Srta. Night.

Dalila seguiu a mulher, e entendeu o porquê de Henry ter inventado um sobrenome para ela, primeiro ele não sabia qual era, segundo, era melhor assim.

A loja era realmente esplendorosa, muito refinada, tinham muitos smokings chiquérrimos, e vários vestidos que provavelmente não serviriam para ela.

- Por favor, fique de pé em cima deste degrau, me deixa conferir suas medidas para saber que vestido posso lhe mostrar.

Dito e feito, Dalila subiu naquele step e já tirou logo o moletom que estava usando. A vendedora já estava com uma fita na mão para começar. As medidas foram tiradas, e as perguntas começaram:

- Que tipo de vestido a Srta. Night prefere?

- Não pensei em nada - disse Dalila procurando por algum modelo em seu celebro - gostaria de nada muito ousado, por favor.

- Ok, alguma cor preferencial?

- Não, nenhuma.

- Ok. Sente-se naquela poltrona logo ali, que as modelos entraram com os vestidos para você ver se gosta. Aguarde alguns minutinhos somente.

Dalila esperou por 10 minutos sentada, admirando os detalhes do lugar. Ela percebeu que tinha uma secção de lingerie, uma secção de ternos para homens e outro para mulheres, além de roupas e vestidos mais básicos para o dia a dia.

O desfile começou, a primeira modelo usava um vestido tomara que caia de seda de cor azul céu, ele era em si bem básico, mas a costura era perfeita o que dava um toque especial ao vestido, a saia do vestido caia em camadas e tons diferentes de azul, desde o da cor da parte de cima, até uma azul marinho na parte de baixo. Era realmente um longo muito bonito, que não era tão chamativo e nem muito ousado.

- Obrigada - agradeceu Dalila assim que a modelo começou a sair.

A segunda modelo entrou, essa usava um vestido bem largo, com um tecido de bom caimento que parecia que sobrava muito, era de um tom lilás claro e nos vãos que o tecido formava era de um tom lilás escuro, devido a isso o vestido tinha que ser colocado com muito cuidado, para seu efeito e sua beleza aparecerem corretamente.

Era realmente lindo, com um bom caimento. O tchan do vestido também era o cinto feito de prataria que arrematava o vestido na cintura, e não deixava parecer que a mulher era gorda, e sim muito magra.

A terceira modelo entrou, esta usava um vestido bem simples, de seda da cor champagne. O detalhe dele era o pano que vinha em seus ombros, tampava-os totalmente e terminavam enrugados no pescoço, era um vestido realmente muito bonito.

A quarta modelo usava um vestido bem decotado vinho, Dalila não quis reparar muito, de cara já o achou muito ousado.

Dalila viu mais dois vestidos, e foi aí que ela pediu para parar, que ela queria o segundo, que foi o que ela achou o mais bonito e o mais apropriado para não mostrar suas curvas. A vendedora concordou com o pedido e a chamou para escolher uma sandália para usar com o vestido. Como o vestido era bem comprido, ela escolheu uma sandália mais ou menos alta devido a recomendações da vendedora, para que o vestido não atrapalhasse ao andar. Ela escolheu uma linda sandália de tecido prata (por favor, não é aquelas sandálias pratas horrorosas que vendem pelo Brasil afora, é de tecido, ou seja, opaca) com duas tiras que se cruzavam na frente, uma que cruzava o peito do pé, como tem em sapatinhos de bonecas, e com o calcanhar fechado, era realmente maravilhosa. Dalila então foi experimentar o conjunto, por incrível que pareça o tamanho da barra do vestido ficou certinho com a sandália que ela tinha escolhido, o vestido serviu perfeitamente já que ele se ajustava e realmente não marcou nenhuma das dobrinhas dela. A vendedora que tinha saído por alguns minutos, voltou carregando duas bolsas na mão, uma que parecia uma caixinha do mesmo tecido da minha sandália e outra feita da mesma prataria usada no sinto. Dalila escolheu a primeira para não ofuscar o cinto.

- Bem, você está linda, vai precisar de mais alguma coisa além disso?

- Oh sim, eu vou me trocar para ver algumas peças íntimas.

- Ok, vou te esperar aqui fora.

Depois de um tempo Dalila saiu do provador e foi até a secção de roupa íntima, pegou dois pares cor da pele, para que pudesse lavar a que estava usando desde que apareceu na Inglaterra e dar tempo de secar.

- Então tudo certo, eu vou fechar a conta, e já já chamo você e o Sr. Linderman.

- Então, achou um vestido legal? - perguntou Henry atencioso.

- Sim achei, mas não perguntei o preço, tem algum problema? - disse Dalila fazendo uma careta.

- Absolutamente nenhum, fique tranquila.

Henry rapidamente foi requisitado para pagar a conta, e a vendedora entregou-lhe as compras de Dalila e seu smoking. Eles saíram pela porta e o carro já estava a sua espera.

Chegando na casa de Henry, como já era horas da tarde, os dois subiram cada um para seus quartos para se arrumarem. Dalila tomou banho e lavou o cabelo, quando saiu pensou o que faria no cabelo sem a ajuda de ninguém. Depois de muito pensar ela foi bater no quarto de Henry.

Toc toc.

- Sim - Henry disse abrindo a porta vestindo um roupão - do que você precisa?

-Ééééé - Dalila agora estava focada no vão aberto que o roupão fazia até seu umbigo.

- Oie, meu rosto está aqui em cima - falou Henry dando uma risada.

- UI - disse Dalila em um pulo - desculpa, pensava que você não tinha pelos no peito - afirmou tentando fingir que não estava admirando seu definido peitoral.

- E não tenho, são só alguns, eu tive a sorte de não ter muitos pelos.

- Ah ok - Dalila já tinha percebido isso - Mas eu vim aqui pra saber se você tem secador de cabelo. Fala que têm!?

- Tenho sim, vou pegar já volto.

Henry foi em um instante, pedou o secador e trouxe até as mãos de Dalila.

- Aqui.

- Obrigada.- agradeceu Dalila se retirando da frente da porta do quarto de Henry.

Dalila secou o cabelo não para alisá-los mas para dar um certo volume em suas pontas e deixá-lo um pouco ondulado. Agora tinha o problema da maquiagem, ela só tinha o básico em sua bolsa, base, corretivo e brilho labial. Sem mais o que fazer, ela disfarçou as imperfeições do rosto, passou a base até seu pescoço e deixou o brilho labial para passar por último. Ela foi até o quarto, calçou a sandália primeiro e depois jogou o vestido por cima, colocou o cinto e foi passar o gloss.

Henry nesse instante bateu em sua porta e falou que já eram oito horas da noite e que Rheet já devia estar chegando.

Dalila disse que já estava descendo, ela pegou a bolsa nova, colocou alguns documentos necessários e as maquiagens lá dentro, olhou-se no espelho e viu uma glamurosa Dalila, que pensou nunca ver na vida, ela estava digna de um oscar ou algo parecido, vestidos caros realmente fazem a diferença.

Henry e Rheet já estavam esperando Dalila no hall da casa, dava para Dalila escutá-los do corredor lá em cima, quando chegou à escadas e começou a descer ficou espantada com....

____________________________________________________________

OSCAR 2010

Esse ano eu achei super legal a Academia indicar 10 filmes ao oscar, da lista eu tive a oportunidade de assitir somente três deles, Avatar, Bastardos Inglórios e Distrito 9, para mim os 3 tinham que ganhar o prêmio, como eu ainda não assisti aos outros não posso falar nada deles!
Enfim, achei bem balanceada a lista esse ano, tenho certeza que o que aconteceu no Globo de Ouro vai se repetir no Oscar, mas o legal é que tem Oscar para curtas-metragem, para efeitos sonoros, maquiagem, fotografia, figurino, etc, etc! É sempre bom prestigiar quem está por trás das câmeras!


Bem, o que tiver de vermelho é o indicado que eu acho que vai ganhar, o que está de azul é aquele que eu gostaria que ganhasse mas que provavelmente não vai ganhar! Quem quiser fazer suas apostas nos comentários, fiquem a vontade!!

Melhor Filme

" Avatar"
' The Blind Side
"Distrito 9"
"Educação"
" Guerra ao Terror"
" Bastardos Inglórios"
"Preciosa"
"A Serious Man"
" Amor sem Escalas"

" Up - altas aventuras"

Melhor Diretor

Kathryn Bigelow ("Guerra ao Terror")
James Cameron ("Avatar")
Jason Reitman ("Amor Sem Escalas")
Quentin Tarantino ("Bastardos Inglórios")
Lee Daniels ("Preciosa")

Melhor Ator

Jeff Bridges ("Coração Louco")
Morgan Freeman ("Invictus")
Jeremy Renner ("Guerra ao Terror")
George Clooney ("Amor Sem Escalas")
Colin Firth ("A Single Man")

Melhor Atriz

Sandra Bullock ("Um Sonho Possível")
Meryl Streep ("Julie & Julia")
Carey Mulligan ("Educação")
Helen Mirren ("The Last Station")
Gaboury Sidibe ("Preciosa")

Melhor Ator Coadjuvante

Christoph Waltz ("Bastardos Inglórios")
Woody Harrelson ("O Mensageiro")
Matt Damon ("Invictus")
Stanley Tucci ("Um Olhar do Paraíso")
Christopher Plummer ("The Last Station")

Melhor Atriz Coadjuvante

Mo’Nique ("Preciosa")
Anna Kendrick ("Amor Sem Escalas")
Vera Farmiga ("Amor Sem Escalas")
Maggie Gyllenhaal ("Coração Louco")
Penelope Cruz ("Nine")

Melhor Roteiro Original

Quentin Tarantino ("Bastardos Inglórios")
Mark Boal ("Guerra ao Terror")
Joel e Ethan Coen ("Um Homem Sério")
Alessandro Camon e Oren Moveman (''O Mensageiro")
Bob Peterson e Pete Docter ("Up - Altas Aventuras")

Melhor Roteiro Adaptado

Jason Reitman e Sheldon Turner ("Amor Sem Escalas")
Neill Blomkamp ("Distrito 9")
Nick Hornby ("Educação")
Geoffrey Fletcher ("Preciosa")
Jesse Armstrong, Samon Blackwell, Armando Iannucci e Tony Roche ("In the Loop")

Melhor Animação

"Coraline e o Mundo Secreto"
"O Fantástico Sr. Raposo"
"A Princesa e o Sapo"
"The Secret of Kells"
"Up - Altas Aventuras"

Melhor Direção de Arte

Rick Carter, Robert Stromberg, Kim Sinclair ("Avatar")
Dave Warren, Anastasia Masaro, Caroline Smith ("O Mundo Imáginário do Dr. Parnassus")
John Myhre, Gordon Sim ("Nine")
Sarah Greenwood, Katie Spencer ("Sherlock Holmes")
Patrice Vermette, Maggie Gray ("The Young Victoria")

Melhor Fotografia

Mauro Fiore ("Avatar")
Bruno Delbonnel ("Harry Potter e o Enigma do Príncipe")
Barry Ackroyd ("Guerra ao Terror")
Robert Richardson ("Bastardos inglórios")
Christian berger ("A Fita Branca")

Melhor Figurino

Janet Patterson ("Bright Star")
Catherine Leterrier ("Coco Antes de Chanel")
Monique Prudhomme ("O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus")
Colleen Atwood ("Nine")
Sandy Powell ("The Young Victoria")

Melhor Documentário

"Burma VJ", de Anders Østergaard and Lise Lense-Møller
"The Cove"
"Food, Inc.", de Robert Kenner and Elise Pearlstein
"The Most Dangerous Man in America: Daniel Ellsberg and the Pentagon Papers", de Judith Ehrlich and Rick Goldsmith
"Which Way Home", de Rebecca Cammisa

Melhor Documentário de Curta-metragem

"China's Unnatural Disaster: The Tears of Sichuan Province", de Jon Alpert e Matthew O'Neill
"The Last Campaign of Governor Booth Gardner", de Daniel Junge e Henry Ansbacher
"The Last Truck: Closing of a GM Plant", de Steven Bognar e Julia Reichert
"Music by Prudence", de Roger Ross Williams e Elinor Burkett
"Rabbit à la Berlin", de Bartek Konopka e Anna Wydr


Melhor edição

Stephen Rivkin, John Refoua e James Cameron ("Avatar")
Julian Clarke ("Distrito 9")
Bob Murawski e Chris Innis ("Guerra ao Terror")
Sally Menke ("Bastardos Inglórios")
Joe Klotz ("Preciosa")

Melhor Maquiagem

Aldo Signoretti e Vittorio Sodano ("Il Divo")
Barney Burman, Mindy Hall e Joel Harlow ("Star Trek")
Jon Henry Gordon e Jenny Shircore ("The Young Victoria")

Melhor Trilha Original

James Horner ("Avatar")
Alexandre Desplat ("O Fantástico Sr. Raposo")
Marco Beltrami e Buck Sanders ("Guerra ao Terror")
Hans Zimmer ("Sherlock Holmes")
Michael Giacchino ("Up - Altas Aventuras")

Melhor Canção Original

"Almost There", de "A Princesa e o Sapo" (Música e Letra de Randy Newman
"Down in New Orleans", de "A Princesa e o Sapo" (Música e Letra de Randy Newman
"Loin de Paname", de "Paris 36" (Música de Reinhardt Wagner; Letra de Frank Thomas)
"Take It All", de "Nine" (Música e Letra de Maury Yeston)
"The Weary Kind (Theme from Crazy Heart)", de "Louco Amor" (Música e Letra de Ryan Bingham e T-Bone Burnett)

Melhor curta de animação ( Quem quiser assisit entra no blog do Rubens Ewald Filho que lá tem os curtas no youtube, são bem legais )

"French Roast", de Fabrice O. Joubert
"Granny O'Grimm's Sleeping Beauty", de Nicky Phelan e Darragh O'Connell
"The Lady and the Reaper (La Dama y la Muerte)", de Javier Recio Gracia
"Logorama", de Nicolas Schmerkin
"A Matter of Loaf and Death", de Nick Park

Melhor Curta-metragem de Ficção

"The Door", de Juanita Wilson e James Flynn
"Instead of Abracadabra", de Patrik Eklund e Mathias Fjellström
"Kavi", de Gregg Helvey
"Miracle Fish", de Luke Doolan e Drew Bailey
"The New Tenants", de Joachim Back e Tivi Magnusson

Melhor Edição de Som

Christopher Boyes e Gwendolyn Yates Whittle ("Avatar")
Paul N.J. Ottosson ("Guerra ao Terror")
Wylie Stateman ("Bastardos Inglórios")
Mark Stoeckinger e Alan Rankin ("Star Trek")
Michael Silvers and Tom Myers ("Up - Altas Aventuras")

Melhor Mixagem de Som

Christopher Boyes, Gary Summers, Andy Nelson e Tony Johnson ("Avatar")
Paul N.J. Ottosson e Ray Beckett ("Guerra ao Terror")
Michael Minkler, Tony Lamberti e Mark Ulano ("Bastardos Inglórios")
Anna Behlmer, Andy Nelson e Peter J. Devlin ("Star Trek")
Greg P. Russell, Gary Summers e Geoffrey Patterson ("Transformers: A Vingança dos Derrotados")

Melhor Filme Estrangeiro

"Ajami" (Israel)
"El Secreto de Sus Ojos" (Argentina)
"A Teta Assustada" (Peru)
"O Profeta" (France)
"A Fita Branca" (Alemanha)

Melhores Efeitos Visuais

Joe Letteri, Stephen Rosenbaum, Richard Baneham e Andrew R. Jones ("Avatar")
Dan Kaufman, Peter Muyzers, Robert Habros e Matt Aitken ("Distrito 9")
Roger Guyett, Russell Earl, Paul Kavanagh e Burt Dalton ("Star Trek")


Bem, deu para perceber que Avatar vai levar a maioria né?! AHuAHuahAU.. o filme é realmente impecável em seus efeitos, e com certeza vai levar o de melhor filme, meu o James Cameron levou mais de 4 anos para fazer esse filme, imaginem? 4 Anos pra fazer um filme?

Bem pessoal é isso por hoje!! Grande bjo e até a próxima!